Descrição do projecto

Projecto: Fingerprinting Sound Memories
Categoria: Arte Sonora
Período: Setembro 2006
Evento: Residência e Simpósio Nodar Pushing the Medium #2


Um som ao ser captado pelo o ouvido humano é objecto de análise no nosso cérebro e mapeado em informação semântica através da memória e da experiência.

Esta análise é baseada num conjunto de parâmetros óbvios: características do volume sonoro global ou envelope, tom e muito importante, estruturas-formantes e também envelopes-formantes.

De forma similar ao olfacto, qualquer pessoa pode memorizar um som único de um lugar. Nodar, Portugal, no caso particular.

A questão que se coloca é, qual a quantidade de informação que é necessário fornecer para produzir um som semelhante a um evento acústico que é memorizado e associado a um determinado local?

Um banco sonoro de tons-sinosoidais combinado com múltiplos envelopes deverá aproximar-nos de uma resposta e criar música agradável.


Klaus Filip | Áustria

A grande maioria dos projectos artísticos desenvolvidos por Klaus Filip incorporam na sua base uma reflexão sobre as possibilidades tecnológicas e sobre a necessidade social de alteração de estrruturas. Entre eles, destacam-se subVoice (um magazine underground em formato de cassette áudio), Sigis Bruder (primeiras canções electrónicas junto com a cantora Sigi Ecker), Orchester 33 1/3, um projecto de jazz experimental liderado por Christof Kurzmann, Zentrifuge, música para curtas metragens, teatro, dança e instalações sonoras. Klaus Filip é o mentor electro-mecânico de BigBaby, um impressionante projecto “intermedia” em redor de uma escultura da autoria de Red White e dos movimentos de Cynthia Schwertsik. Filip foi ainda o inventor do software de código aberto lloopp, um instrumento musical computorizado que cria estruturas abertas para a improvisação ao vivo, sendo utilizado por muitos músicos electrónicos conceituados.

http://bigbaby.klingt.org/klaus_filip.html