“Moroloja” de Manuela Barile apresentado na Bielorrússia e na Tailândia

“Moroloja”, uma pesquisa áudio / visual sobre a experiência simbólica e ritual do luto, dirigida por Manuela Barile, co-directora artística da Binaural / Nodar foi seleccionada para as selecções CologneOFF do Festival de Cinema Perpetuum Mobile de Minsk (Bielorrússia), a decorrer entre 16 e 18 de Janeiro de 2012, e do 6º Festival de Cinema Experimental de Bangkok (Tailândia), a decorrer no dia 1 de Fevereiro de 2012.

Programas dos festivais, aqui.

Sobre Moroloja:

Moroloja é uma reflexão sobre a experiência da dor. A experiência da dor é a experiência de perda, de luto. É antecipação da morte. Aqueles afectados pela dor entram num processo de estranhamento, afastando-se do mundo porque nunca pode se comunicar com os outros o próprio sofrimento até o fim. A dor é lembrança íntima, o sofrimento une-nos, mantém-nos no limite, expõe a nossa existência à sua condição de fragilidade. A solidão e o sofrimento enterlaçam-se um no outro. No entanto, a dor de um indivíduo não pode ser separada da dor de todos os demais, da dor do mundo. Dor e existência são a mesma coisa. A dor individual, expressa neste vídeo por uma mãe, uma “Demetra-prefica”, refere-se, portanto, a uma cosmologia da dor, a um sentido do sofrimento universal.

HD, 8m05s (2008)
Dirigido por Manuel Barile
Câmara: Luis Costa
Produzido por Binaural/Nodar

2017-02-13T18:32:04+00:00 12 Janeiro, 2012|