A Binaural em Colaboração com o Encontro Anamnesis 09
apresenta:

TRÊS PALESTRAS AUDIOVISUAIS SOBRE PROJECTOS SONOROS DA BINAURAL
Sábado, 19 de Setembro 09 – 10h00
Casa de Caçarelhos (Caçarelhos, Vimioso)

Manuela Barile (Itália/Portugal)
“Cá”

“Cá” é um projecto artístico relacionado com as viagens de Manuela Barile pelas aldeias abandonadas da área onde presentemente reside: o maciço da Gralheira, uma área rural e isolada localizada no concelho de S. Pedro do Sul. O projecto nasceu com o desejo da autora em reflectir sobre a ideia de abandono e o sentido das ruínas. As aldeias abandonadas são lugares à parte que as sociedades modernas têm tendência a ignorar ou preferem esquecer. São considerados lugares mortos e inúteis, um sinal de fracasso. Representam um passado que é desejavelmente esquecido, uma quebra no fluxo da memória. No entanto, as aldeias abandonadas têm uma vida própria, mesmo que não sejam habitadas, mesmo que a natureza as absorva gradualmente (mesmo assim é possível sentir a presença das pessoas; é possível “ouvir” o som de uma janela a fechar, os sons do caminhar, etc.). Estes lugares têm igualmente a sua identidade própria, a sua identidade física, a sua própria materialidade que é possível sentir nas casas em ruínas, nas pedras, no chão, nas nuvens, na água, ou nas sombras. Com estas viagens Manuela Barile procura seguir, apreender, interrogar os sinais de vida e a memória nos lugares onde tudo parece terminado. Qualquer desaparecimento, apesar de doloroso e dramático, preludia sempre uma nova presença.

Manuela Barile é uma artista vocal e performer interdisciplinar italiana que habita em Portugal. Explora a voz nas suas várias expressões musicais e faladas, empregando técnicas vocais ocidentais e orientais, assim como outras da sua própria invenção, todas sem qualquer recurso a manipulação electrónica. O seu trabalho artístico consiste na combinação dos seus sons vocais com diferentes media (instalação, performances ao vivo, fotografia, vídeo, desenho, escrita). Através de simples acções quotidianas, Manuela Barile cria situações em que o artista é apenas um espelho, através do qual as pessoas podem projectar as suas experiências, memorias, medos, limites e contradições.

http://www.binauralmedia.org


Duncan Whitley (Inglaterra)
“G.D. Parada”

Duncan Whitley desenvolve neste momento a segunda parte de um trabalho sonoro de interacção com o Grupo Desportivo de Parada, na aldeia de Parada de Ester (Castro Daire), perto de Nodar. O autor pretende explorar o papel do G.D. Parada na comunidade local de Parada de Ester e captar a importância que o futebol tem na vida dos seus jogadores, através de um trabalho detalhado de criação de paisagens sonoras (“soundscapes”), as quais se focam na equipa, tanto durante os treinos como nos jogos. As gravações efectuadas durante as sessões de treinos envolvem uma variedade de técnicas para captar os sons do ensaio de jogadas e de exercícios físicos. O autor desenvolveu no passado projectos similares com clubes ingleses (Coventry City, Brighton Hove Albion e Reading).

Duncan Whitley é um artista sonoro inglês (com formação em artes visuais) cujo trabalho recente têm-se focado na captação, análise, categorização e edição de material sonoro originário do tecido social e urbano. Está interessado nos valores sociais e documentais do som enquanto meio com o propósito de desenvolver formas narrativas alternativas. Projectos recentes incluíram um arquivo de gravações sonoras documentando demolições de edifícios de habitação no Reino Unido; um projecto colaborativo em curso com o compositor James Wyness baseado em gravações sonoras das procissões da Semana Santa em Sevilha; e um arquivo sonoro pesquisável de canções e cânticos dos fans do Coventry City FC durante os últimos jogos do clube no estádio de Highfield Road.

http://www.shotgunsounds.com



Luís Costa (Portugal)
“Aldeias Sonoras”

“Aldeias Sonoras” é um projecto educativo coordenado pela Binaural e que consiste na gravação, edição e mapeamento do património acústico de aldeias rurais em paralelo com o seu levantamento geográfico, histórico e sócio-cultural. “Aldeias Sonoras” encoraja estudantes de zonas rurais a “abrirem o ouvido” para o mundo acústico que os rodeia, envolvendo-os num processo analítico e colaborativo de captação, edição e publicação na internet de ambientes sonoros específicos de cada aldeia ou paisagem rural. O projecto pretende evidenciar a riqueza sonora do mundo rural português e a necessidade de o registar, envolvendo jovens nessa descoberta, promovendo em paralelo o sentido de identidade, de diversidade e de orgulho em viver no campo.

Fundador e Presidente da Direcção da Binaural e da Associação Cultural de Nodar. Está ligado às artes intermedia desde 1991. Começou por escrever artigos e recensões críticas a título pessoal e em vários blogs. Em 2005 desenvolveu os materiais teóricos e de contextualização histórica de arte sonora para um workshop no Museu de Arte Contemporânea de León, Espanha. No âmbito do Encontro Fronte[i]ras 07 coordenou os painéis de debate com a presença dos artistas participantes. Orador convidado em conferências e palestras sobre artes media, criatividade no espaço rural e cooperação cultural transfronteiriça. Desde 2006 que desenvolve projectos de documentação sonora e vídeo das regiões do maciço da Gralheira e da Serra do Montemuro. É Responsável pela programação de cinema documental no âmbito da Iniciativa “Cinema nas Aldeias”, a qual exibe filmes sobre temática rural nas aldeias mais isoladas no maciço da Gralheira (S. Pedro do Sul). Foi curador de diversas exposições nos últimos anos e é autor e coordenador do projecto educativo “Aldeias Sonoras”.

[/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]