O OCUPAI! – FESTIVAL IBÉRICO DE ARTE E AÇÃO volta em 2017 com a sua terceira edição, desta vez para se instalar durante dois dias à beira do rio Vouga, num local emblemático da cidade de São Pedro do Sul (Distrito de Viseu): o Lenteiro do Rio, espaço onde as águas correm mais lentas, onde a vegetação é aprazível e diversa e onde noutros tempos os habitantes lavavam e punham a secar a roupa, local portanto propício para fazer comunidade,.

O OCUPAI! de 2017 propõe como um dos seus eixos programáticos, aproximar de São Pedro do Sul as regiões de Espanha mais próximas (Galiza, Astúrias, Castilla y León, Etc.), convocando artistas inovadores, como é o caso do fantástico e premiado coletivo LA XATA LA RIFA (Astúrias) de performance, dança e exploração musical, o qual apresentará durante os dois dias do festival duas versões do espetáculo La Ola Flotante (A Onda Flutiante), baseado numa plataforma flutuante de madeira a montar no meio do rio e que convocará os restantes artistas do festival (locais e de fora) a interagir de forma orgânica e fluida com a mesma. Esta será a estreia absoluta em Portugal deste magnífico coletivo asturiano.

Também da Região das Astúrias virá o projeto ECO REM do multiinstrumentista Pedro Acevedo, Folk Drone Ambient feito com loopers e diversos instrumentos ancestrais de todo o mundo, criando composições intuitivas, orgânicas e com elementos de improvisação, mas onde a beleza despontará em cada instante, criando ligações perfeitas com a paisagem envolvente do rio.
Um enorme guitarrista e improvisador galego, PABLO REGA, cúmplice da Binaural/Nodar há mais de 15 anos, volta ao território de Lafões depois de uma longa ausência, na companhia de outros dois grandes músicos galegos

Saúl Puga (contrabaixo) e L.A.R. Legido (bateria e objetos), os quais compõem o projeto F.I.L.O – (Free Improvised Loud Objetive), um vórtice energético entre o free jazz e o rock experimental.

Outro dos eixos programáticos do festival OCUPAI! é o de colocar em ligação formas tradicionais musicais da região de Lafões com estéticas contemporâneas, propondo assim possibilidades de inovação do fantástico património imaterial da região.

Um exemplo claro da interação urbana/rural é o espetáculo E-NXADA, estreado com enorme êxito no Teatro Carlos Alberto (Porto) no passado mês de Abril, e que junta a exploração coreográfica e malabarista da companhia de circo contemporâneo ERVA DANINHA (Porto) à antropologia e exploração sonoras rurais da BINAURAL/NODAR, contando ainda com uma participação final ao vivo dos cantares polifónicos de Lafões do GRUPO DE CANTARES DE CARVALHAL DE VERMILHAS (Vouzela), grupo que prosseguirá logo de seguida com uma atuação própria com alguns dos seus magníficos cânticos a capela.

Outro projeto de exploração musical que tem recolhido enormes elogios é aquele que será trazido pelo guitarrista lisboeta Fernando Ramalho, intitulado BERLAU, e que apresentará a obra “Meta‐Sonorização. Em Diálogo com Ana Hatherly”, uma performance em oito secções, em que a composição sonora‐base é, nas secções seguintes, submetida à supressão de determinadas parcelas. Pretende‐se, desse modo, pensar a forma como, à semelhança do texto poético, também os diversos elementos que integram uma composição sonora são suficientemente autónomos para produzirem significados próprios, sem que, com a sua supressão, a integridade da composição seja afectada.
O festival OCUPAI! convocará também um ícone absoluto dos cantares polifónicos da região, o GRUPO DE CANTARES DE MANHOUCE, propondo uma apresentação no espaço privilegiado do Lenteiro do Rio de formas de expressão vocal originalmente feitas para serem cantadas na paisagem, durante os labores agrícolas. Mais do que mais um concerto de Isabel Silvestre e do Grupo de Cantares de Manhouce, esta sua passagem pelo OCUPAI! será uma inovadora ode ao canto e à paisagem, feita de matizes inesperados e onde a própria paisagem sonora do local constituirá uma importante parcela do espetáculo..
Finalmente, a tradição das bandas filarmónicas, que tem uma expressão muito viva na região de Lafões, fará parte do festival através de um dos seus melhores representantes locais, a SOCIEDADE MUSICAL, CULTURA E RECREIO DE PAÇOS DE VILHARIGUES (Vouzela), a qual executará uma série de peças pensadas propositadamente para o espaço do Lenteiro do Rio. Em vez do passa-ruas típico das bandas filarmónicas, será proposto um passa-paisagem (ou um passa-margens do rio) de resultados que serão seguramente inesperados.

O Festival OCUPAI! incluirá ainda uma série de atividades de animação infantil (incluindo pinturas faciais, modelagem de balões e um grande insuflável), uma aula de Zumba ao ar livre pelo professor Zé Bordonhos e um conjunto de stands de doçaria, fruta e enchidos tradicionais da região. O OCUPAI! – FESTIVAL IBÉRICO DE ARTE E AÇÃO volta em 2017 com a sua terceira edição, desta vez para se instalar durante dois dias à beira do rio Vouga, num local emblemático da cidade de São Pedro do Sul (Distrito de Viseu): o Lenteiro do Rio, espaço onde as águas correm mais lentas, onde a vegetação é aprazível e diversa e onde noutros tempos os habitantes lavavam e punham a secar a roupa, local portanto propício para fazer comunidade,.

O OCUPAI! de 2017 propõe como um dos seus eixos programáticos, aproximar de São Pedro do Sul as regiões de Espanha mais próximas (Galiza, Astúrias, Castilla y León, Etc.), convocando artistas inovadores, como é o caso do fantástico e premiado coletivo LA XATA LA RIFA (Astúrias) de performance, dança e exploração musical, o qual apresentará durante os dois dias do festival duas versões do espetáculo La Ola Flotante (A Onda Flutiante), baseado numa plataforma flutuante de madeira a montar no meio do rio e que convocará os restantes artistas do festival (locais e de fora) a interagir de forma orgânica e fluida com a mesma. Esta será a estreia absoluta em Portugal deste magnífico coletivo asturiano.

Também da Região das Astúrias virá o projeto ECO REM do multiinstrumentista Pedro Acevedo, Folk Drone Ambient feito com loopers e diversos instrumentos ancestrais de todo o mundo, criando composições intuitivas, orgânicas e com elementos de improvisação, mas onde a beleza despontará em cada instante, criando ligações perfeitas com a paisagem envolvente do rio.
Um enorme guitarrista e improvisador galego, PABLO REGA, cúmplice da Binaural/Nodar há mais de 15 anos, volta ao território de Lafões depois de uma longa ausência, na companhia de outros dois grandes músicos galegos

Saúl Puga (contrabaixo) e L.A.R. Legido (bateria e objetos), os quais compõem o projeto F.I.L.O – (Free Improvised Loud Objetive), um vórtice energético entre o free jazz e o rock experimental.

Outro dos eixos programáticos do festival OCUPAI! é o de colocar em ligação formas tradicionais musicais da região de Lafões com estéticas contemporâneas, propondo assim possibilidades de inovação do fantástico património imaterial da região.

Um exemplo claro da interação urbana/rural é o espetáculo E-NXADA, estreado com enorme êxito no Teatro Carlos Alberto (Porto) no passado mês de Abril, e que junta a exploração coreográfica e malabarista da companhia de circo contemporâneo ERVA DANINHA (Porto) à antropologia e exploração sonoras rurais da BINAURAL/NODAR, contando ainda com uma participação final ao vivo dos cantares polifónicos de Lafões do GRUPO DE CANTARES DE CARVALHAL DE VERMILHAS (Vouzela), grupo que prosseguirá logo de seguida com uma atuação própria com alguns dos seus magníficos cânticos a capela.

Outro projeto de exploração musical que tem recolhido enormes elogios é aquele que será trazido pelo guitarrista lisboeta Fernando Ramalho, intitulado BERLAU, e que apresentará a obra “Meta‐Sonorização. Em Diálogo com Ana Hatherly”, uma performance em oito secções, em que a composição sonora‐base é, nas secções seguintes, submetida à supressão de determinadas parcelas. Pretende‐se, desse modo, pensar a forma como, à semelhança do texto poético, também os diversos elementos que integram uma composição sonora são suficientemente autónomos para produzirem significados próprios, sem que, com a sua supressão, a integridade da composição seja afectada.
O festival OCUPAI! convocará também um ícone absoluto dos cantares polifónicos da região, o GRUPO DE CANTARES DE MANHOUCE, propondo uma apresentação no espaço privilegiado do Lenteiro do Rio de formas de expressão vocal originalmente feitas para serem cantadas na paisagem, durante os labores agrícolas. Mais do que mais um concerto de Isabel Silvestre e do Grupo de Cantares de Manhouce, esta sua passagem pelo OCUPAI! será uma inovadora ode ao canto e à paisagem, feita de matizes inesperados e onde a própria paisagem sonora do local constituirá uma importante parcela do espetáculo..
Finalmente, a tradição das bandas filarmónicas, que tem uma expressão muito viva na região de Lafões, fará parte do festival através de um dos seus melhores representantes locais, a SOCIEDADE MUSICAL, CULTURA E RECREIO DE PAÇOS DE VILHARIGUES (Vouzela), a qual executará uma série de peças pensadas propositadamente para o espaço do Lenteiro do Rio. Em vez do passa-ruas típico das bandas filarmónicas, será proposto um passa-paisagem (ou um passa-margens do rio) de resultados que serão seguramente inesperados.

O Festival OCUPAI! incluirá ainda uma série de atividades de animação infantil (incluindo pinturas faciais, modelagem de balões e um grande insuflável), uma aula de Zumba ao ar livre pelo professor Zé Bordonhos e um conjunto de stands de doçaria, fruta e enchidos tradicionais da região.



Source